Hoje é seguda-feira, 21 de setembro de 2020, dia da Árvore; dia da Luta Nacional das Pessoas com Deficiências e dia do Fazendeiro # Depois de um domingo de paralizações, os ônibus da capital maranhense, São Luís, voltaram a circular normalmente nesta segunda-feira # Fim de semana bom para os times maranhenses no Brasileirão: Sampaio ganhou, Juventude ganhou e o Moto Club empatou,
alumar40anos cargas e cais presidentesdobrasil propaganda2
HOME
Entrevista
 Ogmo/itaqui
Syngamar
Telex/Aniversários
 Agencias Marítimas
Soamar MA
Fotos & Imagens
Dicas/Serviços
Capitania dos Portos do Maranhão
The best of web
Fale conosco


Vale
 Alumar
Itaqui
 Cargas
 Todos os portos
 Cartas Náuticas

Concursos
Prêmio Smart
Escoteiros em Foco
Cais do Jeep
Seminário Landlord

Osvaldo Rocha
José Oliveira
 Herbert Santos
Telex/Aniversários
 Humor
Ponto de Vista

José Clementino
Elson Burity
 Bento Moreira Lima

Aniversário Alumar
 Carta Pero Vaz
 Dia do Portuário
 Escoteiros em foco
 Nosso Papai Noel
 São Luis 408 anos
 Copa América 2019
 Cais do JEEP
 O Trem da Vale
Museu da Soamar
Presidentes do Brasil
Farol de Mandacaru

Pratimar
Petrobras
Portal Exportador
Banco Central
Receita Federal
Marinha do Brasil
Capitania Maranhão
Conapra
Policia Federal
Obra Prima CE











São Luís, 408 Anos, sob a pandemia e a esperança, que não morre, de viver um futuro de melhores dias
Apesar dos seus piores hóspedes, votos de saúde, educação, segurança e qualidade de vida melhor


São Luís, 408 anos de muitas e inesquecíveis histórias
São Luís, 408 Anos, sob a pandemia e a esperança, que não morre, de melhores dias, apesar dos seus piores hóspedes!

Por Herbert de Jesus Santos, escritor, poeta e jornalista

A nossa querida Cidade já está com um pé na casa dos 408 Anos, que celebrará na próxima segunda-feira, 8 de setembro, com muitos problemas a serem superados e muita história para contar, como a epopéia que foi a sua Fundação, em 1612, com o nome de São Luís, em homenagem ao Rei de França, Luís IX, o Rei Santo, e em honra de Luís XIII, o Rei-Menino. Sua criação, como França Equinocial, começou com Daniel de La Touche, sob o título de Senhor de La Ravardière, um experiente Lugar-tenente General da Marinha Francesa do século XVII. Nobre, de religião protestante, liderou a expedição francesa que, em 1612, deu início às pretensões de colonização no Norte do Brasil.

La Ravardière, na corte, no Palácio do Louvre, em Paris, com a regente Maria de Médici, tendo angariado fundos com o almirante François de Rossilly, Senhor Almers (líder católico), em companhia deste, partiu de Cancale, em março de 1612, com uma caravela e duas naus: "Saint-Anne", "Régente" e "Charlote", tripuladas por 500 homens, entre eles frades capuchinhos, viajando por cinco meses completos, enfrentando os dissabores do mar.

Estudiosos asseguram que a expedição chegou em setembro do mesmo ano, avistando um ponto elevado na Ilha Grande (Upaon-Açu), domínio dos Tupinambás chefiados por Japi-Açu, que participaram de uma missa, em 8 de setembro, oficializando o nascimento de São Luís.

408 anos depois, ostentaria títulos gloriosos para os seus centenários bumba-boi (consagrado como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, em reunião realizada em Bogotá, na Colômbia, em 11.12.2019. A celebração foi reconhecida por unanimidade, e com louvor, pelo Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura—Unesco) e o tambor de crioula, Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro, em 2007, pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), com que, desde então, o 18 de junho se tornou Dia Nacional  e é marcado por festas em diversas cidades do Estado.

Com muitos problemas para superar, alguns do século 19, como a necessidade de uma eficiente e abrangente rede de esgoto, e, mais recentemente, sistema  de transporte  caótico, com ônibus superlotados, quando não sucateados, barracas caindo aos pedaços, sujas e enferrujadas, na adjacência do Liceu e do extinto Maristas, e no terminal de transportes da Fonte do Bispo, Mercado do Peixe, no Portinho, precisando de mais atenção dos órgãos municipais, com relação à limpeza, pois urubus estão dando vôos rasantes, fazendo festa ali, e tomando conta do pedaço, diuturnamente.  Nada como um dia atrás do outro, respeitosos e honestos cidadãos ludovicenses: teremos em breve eleição para prefeito e vereadores, e aí será a hora de darmos o troco, votando em quem pode melhor nos representar, na Câmara, e administrar, no Palácio  de la Ravardière.

Então, as melhores opções serão os pretendentes à vereança de uma nova legislatura e um  gestor sintonizado com os anseios populares, que apreciem o nosso carnaval, o nosso São João (tem diversidade para ser o maior e melhor do Mundo, bumba-bois com cinco sotaques, e ganhar, na mídia, o de Campina Grande, na Paraíba, só com quadrilhas e forró), e valorizar a nossa literatura, as nossas praias (com sua indispensável balneabilidade), o nosso Turismo  (a indústria sem chaminé,  com tudo para ser muito mais rendoso, aqui), o nosso Centro Histórico, Patrimônio Cultural da Humanidade, o nosso Abrigo do Carmo, com sua memorável presença em 72 anos, e recinto do ganha-pão, com muita honestidade e dedicação,  dos comerciantes dos boxes.

Parabéns, São Luís! 408 Votos de muita Saúde, Educação, Segurança, e Qualidade de Vida melhor!

VEJA TAMBÉM

Uma  entrevista deliciosamente histórica com o escritor Mário Martins Meireles

Um passeio pela São Luís, uma capital moderna e histórica de todas as épocas

Uma São Luís que não existe existe mais, porém resiste para não ser esquecida

Coluna de Herbert de Jesus Santos, o poeta

Lugar: PORTOSMA
Fonte: Herbert de Jesus Santos
Data da Notí£©a: 04/09/2020

Untitled